Terras da Tempestade

| As Terras da Tempestade

As Terras da Tempestade são uma das regiões que constituem os Sete Reinos de Westeros. Foram uma nação soberana do mesmo nome até a Guerra da Conquista, na qual o último Rei da Tempestade foi morto. As Terras são governadas a partir do castelo de Ponta Tempestade pela Casa Baratheon. São aassim chamadas devidas às frequentes e poderosas tempestades que afligem a costa naquela zona.

Os bastardos nascidos nas Terras da Tempestade recebem o sobrenome ‘Storm’.

As Terras da Tempestade localizam-se a sul de Porto Real. Fazem fronteira a oeste com as terras da Campina, ao sul com o Mar de Dorne e a leste com a Baía dos Naufrágios. É uma das mais pequenas regiões de Westeros, uma terra de montanhas duras e selvagens, costas pedregosas e florestas verdejantes como a Mataderrei.
A Marca de Dorne, localizada a sudoeste, que se estende ao longo das Montanhas Vermelhas, funcionam como uma ‘zona de amortecimento’ efetiva entre as Terras da Tempestade e os seus velhos inimigos na Campina e em Dorne. Foi durante séculos uma zona frequente de campo de batalha.
Algumas ilhas, incluindo Tarth e Estermonte também são consideradas parte das Terras da Tempestade. Os navios que atravessam o Mar Estreito evitam a famosa Baía dos Naufrágios e as suas tempestades (que fazem jus ao nome), apesar de os mares naquela zona possuírem águas claras e azuis. As águas ao redor de Tarth são particularmente famosas por sua cor azul cristalina.

Terras da Tempestade


Fonte: A Wiki of Ice and Fire/Wiki Game of Thrones Br


| A história das Terras da Tempestade e do seu povo

As tempestades que sopram no Mar Estreito são tristemente famosas em todos os Sete Reinos e nas Nove Cidades Livres também. Embora possam chegar em qualquer estação, os marinheiros dizem que as piores surgem todos os outonos, formando-se nas águas mornas do Mar de Verão a sul dos Degraus e depois rugindo para norte sobre essas ilhas desoladas e pedregosas. De acordo com os artigos da Cidadela, mais de metade continua para nor-noroeste, varrendo o Cabo da Fúria e a mata de chuva, ganhando força (e humidade) ao atravessarem as águas da Baía dos Naufrágios antes de se atirarem contra Ponta Tempestade, na Ponta de Durran.
Foi desses grandes vendavais que veio o nome das terras da Tempestade.
O coração deste antigo reino era Ponta Tempestade, o último e o maior dos castelos construído pelo rei herói Durran Mágoa-dos-Deuses na Era dos Heróis, que se ergue, imenso e inamovível no topo das alcantiladas falésias da Ponta de Durran. A sul, para lá da Baía dos Naufrágios, com as suas violentas águas e traiçoeiros rochedos, fica o Cabo da Fúria. O húmido emaranhado verde da mata de chuva domina os dois terços setentrionais do cabo. Mais para sul, abre-se uma larga planície, ondulando suavemente até ao Mar de Dorne, onde numerosas pequenas aldeias piscatórias salpicam a linha de costa. Aí ergue-se um buliçoso porto e mercado, a Vila Chorosa (como veio a ser conhecida por ter sido aí que o corpo do heroico Rei Daeron I Targaryen regressou ao seu reino após ser assassinado em Dorne), e muito do comércio da região passa pelo seu porto.
A grande ilha de Tarth, com as suas cascatas, lagos e altaneiras montanhas, faz também parte das Terras da Tempestade, e o mesmo se deve dizer de Estermonte e da miríade de ilhas menores que se podem encontrar ao largo do Cabo da Fúria e da Vila Chorosa.
A oeste, os montes erguem-se duros e selvagens, empurrando o céu até darem lugar às Montanhas Vermelhas, a fronteira entre as terras da Tempestade e Dorne. Profundos vales secos e grandes penhascos de arenito dominam aí a paisagem, e é verdade que por vezes, ao pôr do sol, os picos reluzem escarlates e carmins contra as nuvens… mas há quem diga que essas montanhas obtiveram o nome não da cor da sua pedra, mas de todo o sangue que se infiltrou no chão.
Mais para o interior, para lá dos contrafortes da cordilheira, ficam as Marcas – uma vasta extensão de pradarias, pântanos e planícies varridas pelo vento que se estendem para oeste e norte ao longo de centenas de léguas. Aí, à vista das Montanhas Vermelhas, erguem-se os grandes castelos dos Senhores das Marcas, construídos para defender as fronteiras das terras da Tempestade contra incursões dornesas vindas de sul e os lacaios vestidos de aço dos Reis da Campina vindos de oeste. Os maiores Senhores das Marcas são  os swann de Pedrelmo, os Dondarrion de Portonegro, os Selmy de Solar de Colheitas e os Caron de Nocticantiga, cujas Torres Cantantes assinalaram as extensões mais ocidentais dos domínios dos Reis da Tempestade. Todos esses castelos permanecem até aos dias de hoje, ajuramentados a Ponta Tempestade, tal como o são desde tempos imemoriais.

A norte de Ponte Tempestade, contudo, as fronteiras do reino flutuaram muito ao longo dos séculos, à medida que Reis da Tempestade fortes e fracos ganhavam e perdiam terras numa sucessão de guerras, tanto grandes como pequenas. Hoje, os decretos da Casa Baratheon chegam à margem sul do Guaquevai, às extensões mais meridionais de Mataderrei e às costas pedregosas do Mar Estreito até à base do Gancho de Massey… mas antes da conquista de Aegon, antes mesmo ada chegada dos ândalos, os reis guerreiros da Casa Durrandon empurraram as fronteiras até consideravelmente mais longe.

O Gancho de Massey fazia então parte dos seus domínios, e toda a Mataderrei até à Torrente da Água Negra também. Em certas épocas, os Reis da Tormenta até governavam para lá da Água Negra. Vilas tão distantes como Valdocaso e Lagoa da Donzela prestaram em tempos vassalagem a Ponta Tempestade e, sob o temível rei guerreiro Arlan III Durrandon, os homens da Tempestade obtiveram o domínio de todas as terras fluviais. E conservaram-nas durante mais de três séculos.

Mas mesmo durante a sua maior extensão, os reinos dos Durrandon e daqueles que lhes sucederam sempre foram escassamente povoados quando comparadados com a Campina, as terras fluviais e o Oeste, e por isso o poderio dos Senhores de Ponta Tempestade era diminuído. Porém, aqueles que decidem instalar-se nas Terras da Tempestade – quer seja ao longo das costas pedregosas do Mar Estreito, quer seja nas florestas verdes e ensopadas da mata de chuva ou nas Marcas varridas pelo vento – são um tipo especial de homem. Disse-se com frequência que as pessoas das terras da Tempestade são como o seu clima: tumultuosas, violentas, implacáveis, imprevisíveis.

Ted_nasmith_a_song_of_ice_and_fire_storms_end


Ponta Tempestade – A capital das Terras da Tempestade


 

Este excerto foi retirado do livro O Mundo de A Guerra dos Tronos.1507-1-217x300

Ainda no livro poderás ficar a saber mais sobre:

  • A Chegada dos Primeiros Homens
  • Casa Durrandon
  • Ândalos nas Terras da Tempestade
  • Casa Baratheon
  • Os Homens das Terras da Tempestade